top of page

A Balística Forense e o Perito Criminal

Atualizado: 1 de set. de 2019

Dentre os muitos ramos do trabalho da Perícia Criminal Oficial, hoje traremos algumas informações sobre a Balística Forense. É a área de conhecimento que analisa as armas de fogo, a munição e os efeitos dos tiros. Obviamente para ser motivo de encaminhamento para algum órgão pericial esta evidência deverá ter alguma relação com delitos apurados pelas forças de segurança.


Perito Criminal Rodrigo Wenceslau
Perito Criminal Rodrigo Wenceslau

Inicialmente, é bom lembrar que a ação da arma de fogo se dá por meio de reações químicas, neste caso, ação dos gases. A partir de um elemento propulsor/propelente (pólvora) a força gerada dentro da arma é destinada para lançar projéteis. Ou seja, a munição é o projétil a ser disparado incluindo o cartucho (estojo) com um propelente no seu interior. Em sua ponta fica o projétil e na base o elemento de iniciação (espoleta). No momento da ignição da reação há uma explosão dentro do estojo no qual os gases se expandem muito rapidamente e com a força para empurrar o projétil na direção apontada pela arma.





A balística forense pode ser dividida em três linhas de análises: Balística Interna (estuda a estrutura, mecanismos e funcionamentos das armas); Balística Externa (estuda a trajetória do projétil, desde a arma até o anteparo final); e a Balística dos Efeitos (estudas os efeitos gerados pelo projétil, também conhecida como balística do ferimento).


Atuando dentro da área da Balística Interna, por motivos de segurança, a primeira ação a ser tomada pelo perito ao analisar uma arma de fogo é verificar se ela está desmuniciada. Verifica-se o tambor, carregadores removidos, munição na câmara de explosão e se não ficou alguma munição no cano da arma após algum defeito durante o disparo anterior. Em seguida, na análise direta ou imediata, aquela feita na própria arma utilizada no delito, é definido se o artefato realmente tem condições de efetuar disparos por meio do Exame de Eficiência e Prestabilidade.


Ensaio de disparo durante mestrado pela UFMS
Ensaio de disparo durante mestrado pela UFMS

Após a análise, o perito deverá informar se a arma pode disparar algum tiro. Caso não possa, será necessário apresentar o motivo da ineficiência. De qualquer maneira, o trabalho de identificação deverá ser minucioso para descrever a arma, objetos e munições analisados. Espera-se do laudo dados como formato, aparência, dimensões, marcas, sinais aparentes, numerações, estado de conservação, além de outras informações consideradas necessárias para o trabalho pericial e policial.


Com relação aos projéteis os itens a serem levantados são: constituição (formato e material), o peso (massa em gramas), diâmetro da base, comprimento, calibre, número e orientação de ressaltos e cavados e deformações acidentais.

824 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page